Pela legalização das favelas cariocas

Edésio Fernandes*

Disponível: http://www.iser.org.br/site/imprensa/pela-legalizacao-das-favelas

Passada mais uma crise, de diversas frentes começaram a surgir propostas para o enfrentamento das muitas e complexas dimensões envolvidas na questão das favelas cariocas. Enquanto as discussões sobre a legalização das drogas e/ou descriminalização do consumo, bem como sobre a reorganização das Policias, ainda fortemente dividem opiniões, o governo federal já prometeu manter a permanência do Exercito nas áreas ocupadas ate meados de 2011; o governo estadual prometeu a instalação de UPPs nessas áreas; e o governo municipal prometeu implementar um grande projeto de urbanização das áreas. Contudo, as questões urbanas são todas inter-relacionadas em grande medida – segurança, moradia, meio ambiente, transporte, etc. – e, ainda que requeiram politicas especificas, para serem eficazes as politicas publicas devem ser amplamente articuladas e diretamente enfrentar as causas dos problemas, sob pena de promover novas distorções. Nesse contexto, é  especialmente importante que as politicas estaduais e municipais sejam (re)pensadas, e implementadas, de maneira integrada.

As UPPs geraram um enorme capital politico para o governo estadual do Rio de Janeiro nas ultimas eleições, e por mais que tenham tido alguns impactos efetivamente positivos, ja ficou claramente demonstrado que a mera implementação de UPPs nao resolve, por si so, o problema da segurança – gerando, pelo contrario, diversos novos processos igualmente nefastos, como a substituição dos traficantes por milícias, ou dessas por policiais corruptos. Também ja ficou claro que as UPPs não promovem uma efetiva “integração entre a favela e o asfalto” como prometido. Por isso, antes mesmo da crise o governo estadual já havia começado um processo de expansão do mandato das UPPs, que passariam a ser “UPPs Sociais”. Para tanto, os comandantes das UPPs teriam poderes delegados para a organização de serviços públicos e resolução de conflitos individuais nas favelas. No entanto, em que pese a boa relação entre os dois níveis de governo, ainda não foi feito um esforço serio de articulação entre a “novas UPPs” e o programa “Morar Carioca” lançado ha poucos meses pelo governo municipal em substituição ao programa “Favela-Bairro”, e que também tem, dentre outros objetivos, a intenção de levar serviços públicos para as favelas – para que se dê a prometida “integração socioespacial”. Essa plena articulação entre os dois níveis governamentais é condição fundamental para que as politicas publicas sejam bem sucedidas.

Além disso, ha um ponto crucial a ser enfrentado nessa discussão: não ha como promover integração socioespacial sem reconhecer os direitos das comunidades envolvidas. É interessante notar que a noção de “democracia legal” que está na base da ideia da UPP Social trata os moradores das favelas tão-somente como “beneficiários de serviços”, e não como sujeitos de direitos próprios.  Da mesma forma, ainda que o programa “Morar Carioca” tenha avançado em relação ao “Favela-Bairro” em muitos aspectos técnicos quanto à urbanização das favelas e à melhoria das condições socioeconômicas dos moradores, o fato é que ainda não ha uma proposta claramente formulada para a legalização das favelas, com o reconhecimento pleno dos direitos de moradia, propriedade e/ou posse dos ocupantes – tal como determinado pela Constituição Federal de 1988 e pelo Estatuto da Cidade de 2001. Os governos estadual e municipal não têm feitos esforços significativos para garantir a permanência das comunidades nas áreas onde vivem. Pelo contrario: por um lado, um dos efeitos das UPPS tem sido o enorme aumento dos preços de imóveis e alugueis nas favelas e áreas vizinhas, levando a praticas especulativas e à pressão dos mercados imobiliários formal e informal para que os ocupantes vendam seus bens; por outro lado, muitas politicas urbanas recentes do governo municipal carioca têm promovido a remoção de um grande numero de pessoas que vivem em favelas, ha muitas décadas em alguns casos.

A experiência brasileira e internacional de regularização de favelas já deixou claro que, sem o reconhecimento de direitos fundiários e de moradia, não ha como promover integração socioespacial e garantir a permanência das comunidades. Não bastam politicas isoladas de segurança, não basta a urbanização das favelas: o reconhecimento do direito das comunidades de ficarem nas áreas consolidadas – naturalmente, em melhores condições urbanísticas, ambientais e sociais – é fundamental para o sucesso das politicas publicas de integração socioespacial. A legalização não se segue automaticamente à urbanização, as duas dimensões têm que serem pensadas juntas. A plena sustentabilidade dessas politicas curativas de regularização depende, ainda, de sua articulação com politicas preventivas que efetivamente democratizem as condições de acesso ao solo com serviços e à moradia nas cidades.

Políticos e gestores urbanos no Rio de Janeiro deveriam buscar inspiração na experiência de Medellin, na Colômbia, cidade-símbolo da violência que tem sistematicamente se reinventado em cidade–símbolo da integração socioespacial. Mais do que copiar aspectos isolados como a instalação de teleféricos ou a dinâmica da politica de segurança, trata-se de compreender como o avanço daquela cidade tem requerido a plena articulação de diversos fatores: gestão integrada entre todos os níveis governamentais, inclusive com uma escala metropolitana de ação; participação popular; revisão dos critérios técnicos para permitir a urbanização das áreas informais; ofertas de moradia de interesse social; novas formas de financiamento dos programas públicos com gestão social da valorização imobiliária; programas de geração de emprego e renda; e, sobretudo, garantia de permanência das comunidades através do reconhecimento de seus direitos fundiários e de moradia. Entender as causas dos problemas, para não tomar efeitos por causas, é crucial para que as politicas publicas não agravem ainda mais as questões urbanas.


* Jurista e urbanista; contato: edesiofernandes@compuserve.com

Publicado por

LASTRO

O Laboratório da Conjuntura Social: tecnologia e território, criado em julho de 1996, no Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional (IPPUR) da Universidade Federal do Rio de Janeiro, tem, por principal finalidade, a valorização da ação social e dos estudos de conjuntura na pesquisa urbana, no momento em que a reestruturação econômica, apoiada nos fluxos informacionais e em novas orientações administrativas, altera oportunidades sociais, funções metropolitanas e o teor sócio-cultural da vida coletiva. O LASTRO encontra-se organizado em torno de uma proposta de trabalho eminentemente metodológica e transdisciplinar, que inclui o alcance de passagens analíticas, de difícil execução, entre esferas, níveis e escalas da experiência urbana brasileira. No desvendamento de uma metodologia adequada à análise de conjuntura comprometida com a dinâmica urbana, valoriza-se o ângulo da ação, onde outras opções analíticas privilegiam mudanças técnicas e tendências exclusivamente econômicas. Sem abandonar estes caminhos, o LASTRO adota, como seu norte reflexivo, as mutações no tecido social, manifestas através de alterações em representações coletivas dos contextos urbanos e em disputas de oportunidades de integração social. A ênfase na conjuntura corresponde a objetivos analíticos relacionados aos vínculos entre estrutura e ação, aos determinantes especificamente sociais da experiência urbana, à desinstitucionalização de relações sociais e à apropriação social de recursos materiais, técnicos e culturais condensados nos espaços metropolitanos do país

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s