Moradores de comunidades pacificadas criticam UPPs

Publicado originalmente em ECOS, disponível aqui.

POR MIRIAM PAÇO
Em debate realizado na Youth Blast, a Conferência da Juventude para a Rio+20, jovens moradores de comunidades cariocas criticaram a suposta imagem de segurança pública trazida pelas Unidades de Polícia Pacificadoras, as UPPs. Eles fazem parte do grupo “Cidade Unida”, criado por moradores de favelas como Cidade de Deus, Complexo do Alemão, Rocinha e Vidigal para discutir problemas locais e monitorar políticas públicas. O debate aconteceu no último domingo, dia 10, no Centro de Convenções Sul América.

Pedro Henrique de Cristo, mestre em Políticas Públicas pela Universidade de Harvard e representante da Onu no Brasil, ressaltou a disparidade entre as zonas mais pobres e a localização das UPPs na cidade. Enquanto a pobreza está concentrada nas zonas Oeste e Norte, a maior parte das UPPs está instalada na Zona Sul. “Elas estão protegendo as riquezas e a infraestrutura para os megaeventos que serão realizados no Rio de Janeiro”, afirmou.

Quem compartilha dessa opinião é Luciano Garcia, morador do Complexo do Alemão. “As UPPs vêm por trás de interesses políticos para vender uma imagem da favela limpa e de que estamos felizes com isso”, criticou ele, que destacou também o aumento do custo de vida após a pacificação e a falta de políticas de desenvolvimento nas comunidades. “As unidades não são políticas de segurança, mas grupamentos de contenção das camadas mais pobres da sociedade. Favela silenciada não é favela pacificada. O que existe é uma militarização da vida cotidiana”, completou Raull Santiago, também morador do Alemão.

Cinco meses após a inauguração da UPP do Vidigal Felipe Paiva teve pela primeira vez a oportunidade de falar sobre a pacificação: “Eu não gosto desse termo, mas ele vem como um processo de aproximação de duas cidades historicamente distantes: a favela e o asfalto”.

No entanto, apesar das críticas à falsa imagem construída sobre as unidades pacificadoras, Pedro reconheceu o avanço das UPPs como ação isolada, que possibilitou um fluxo comunicacional entre as favelas, o que antes não era permitido. Entre os integrantes do “Cidade Unida” está a pesquisadora alemã Verena Brähler. Ela está visitando as favelas cariocas como pesquisa de campo para sua tese de doutorado, em Londres, sobre desigualdade e segurança no Rio. “Eu decidi fazer parte porque gosto dessa ideia de integrar pessoas de caminhos de vida tão diferentes em um objetivo comum”, declarou.

Publicado por

LASTRO

O Laboratório da Conjuntura Social: tecnologia e território, criado em julho de 1996, no Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional (IPPUR) da Universidade Federal do Rio de Janeiro, tem, por principal finalidade, a valorização da ação social e dos estudos de conjuntura na pesquisa urbana, no momento em que a reestruturação econômica, apoiada nos fluxos informacionais e em novas orientações administrativas, altera oportunidades sociais, funções metropolitanas e o teor sócio-cultural da vida coletiva. O LASTRO encontra-se organizado em torno de uma proposta de trabalho eminentemente metodológica e transdisciplinar, que inclui o alcance de passagens analíticas, de difícil execução, entre esferas, níveis e escalas da experiência urbana brasileira. No desvendamento de uma metodologia adequada à análise de conjuntura comprometida com a dinâmica urbana, valoriza-se o ângulo da ação, onde outras opções analíticas privilegiam mudanças técnicas e tendências exclusivamente econômicas. Sem abandonar estes caminhos, o LASTRO adota, como seu norte reflexivo, as mutações no tecido social, manifestas através de alterações em representações coletivas dos contextos urbanos e em disputas de oportunidades de integração social. A ênfase na conjuntura corresponde a objetivos analíticos relacionados aos vínculos entre estrutura e ação, aos determinantes especificamente sociais da experiência urbana, à desinstitucionalização de relações sociais e à apropriação social de recursos materiais, técnicos e culturais condensados nos espaços metropolitanos do país

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s